A Escort SW foi destaque de uma matéria do site Quatro Rodas, que exaltou sua história de sucesso no Brasil. Confira a matéria completa abaixo:

A chegada do Escort ao Brasil, em 1983, marcou o início de uma era: a dos carros mundiais. Sua missão era substituir o Corcel II e não faltavam qualidades. Muito atual, tinha soluções modernas, como o motor transversal, suspensão independente nas quatro rodas e linhas que favoreciam a aerodinâmica (o coeficiente era de 0,385, o mais baixo entre os nacionais). O novato preservava o acabamento notável  da marca e tinha excelente dirigibilidade. Logo veio uma versão esportiva, a XR3, que se tornou um sonho de consumo para os jovens.  Por outro lado, os pais de família que queriam uma perua Escort ficaram sem ter seu desejo atendido, apesar de o modelo ser visto com frequência nas imediações da fábrica ou nos arredores do campo de provas de Tatuí, em São Paulo.

Em 1989, o Escort ganhou uma versão três-volumes (chamada Verona), mas nada da perua. Enquanto isso, a Parati era o sucesso do segmento, favorecida pelo envelhecimento da Belina. Uma segunda geração do Escort veio em 1992 – e, novamente, nenhum sinal de uma station wagon.

A estranha situação só foi esclarecida com o fim da Autolatina (joint venture entre Ford e Volkswagen), em 1996: o acordo operacional entre os fabricantes impedia a Ford de produzir uma perua que concorresse diretamente com a Parati. Porém, livre para lançar uma perua, a fabricante apresentou a versão familiar do Escort já no ano seguinte. E a espera valeu a pena. Com quatro portas e um porta-malas de 385 litros, era trazida da Argentina com alguns componentes importados da Europa. Apesar de ser mais cara, era maior e mais confortável que as estreantes Palio Weekend e Corsa Wagon – a veterana Parati só oferecia duas portas.

A superioridade frente às concorrentes lhe garantiu a fama de melhor perua entre as derivadas de carros pequenos e médios. O forte motor Zetec, de 1,8 litro, 16 válvulas e 115 cv, fazia desse Ford um carro rápido (11,3 s no 0 a 100 km/h) e veloz (190 km/h), mas o câmbio de relações longas prejudicava as retomadas. Outro senão era o consumo: a média de 9 km/l era considerada elevada. Mas a Escort SW era um bom negócio. Tinha direção hidráulica de série, portas forradas com tecido e baixo nível de ruído. Os freios eram eficientes (apesar de não haver ABS) e a estabilidade era boa, mesmo com a suspensão elevada em 25 milímetros.

A versão GL vinha com banco traseiro bipartido e cintos traseiros de três pontos. Já a GLX tinha travas elétricas e ar-condicionado entre os itens de série, bem como a direção ajustável e painel com conta-giros. Toca-fitas, retrovisores  e vidros elétricos, teto solar e rodas de liga eram opcionais. O Escort GLX 1998 das fotos, que pertence à administradora Akemi Nagao,  já não tinha teto solar nem como opcional, mas recebeu computador de bordo digital.

O sucesso da Escort SW era tanto que ela chegou a vender mais que o hatch em alguns meses, resultado de sua excelente relação custo-benefício. Dois anos após o lançamento, o motor 1.6 8V Zetec Rocam, de 95 cv, juntou-se à linha. O bloco menor ajudou a baratear o carro, além de reduzir o consumo de combustível.

A chegada do Focus (em 1998) era um sinal de que o Escort estava prestes a se aposentar. Além disso, as peruas haviam perdido a preferência das famílias para as minivans e SUVs. Assim, a Escort SW despediu-se em 2003, sem deixar sucessora.

Fonte: Quatro Rodas

Gostou? Compartilhe!!